segunda-feira, 28 de julho de 2014

Zoológico com a família

Aproveitando minhas férias, no sábado retrasado (19/07/2014), peguei o pessoal e fomos passear no Zoológico de São Paulo.
Da última vez que havia estado lá, Vini ainda era bem pequeno e eu nem sonhava em conhecer a Ângela.
Já fazia algum tempo que estávamos combinando esse passeio, então aproveitamos minhas férias, já que o tempo frio não nos animou pra ir pro litoral.

Foi um dia muito gostoso. O clima estava bastante agradável, nem frio nem quente. Levamos meus filhos e meus cunhados Andreza e Pedro.
A viagem foi tranquila, guiado pelo GPS do celular.
Já na chegada compramos binóculos de brinquedo para Vinicius e Pedro. Levamos um triciclo do Victor para ajudar nas longas caminhadas com ele que ainda é muito novo e se cansa muito rápido, e já é pesado para me deixar bem cansado carregando ele no colo.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

O Iluminado

Para organizar e ter algum controle dos livros que vou lendo, pois são tantos que já li que nem me lembro mais, estou criando essa série de postagens que tem o objetivo de me ajudar a saber como vai minha leitura.
Acabei de terminar de ler O Iluminado. O primeiro livro do Stephen King que eu li. Aliás, esse foi o motivo de eu tê-lo lido agora. Algumas semanas atrás ouvi um Nerdcast sobre o Stephen King e me senti envergonhado por nunca ter lido nada desse autor tão respeitado.
Optei por ler o mais popular dos seus livros e digo que gostei bastante da leitura.
Recomendo para todos que curtem o sobrenatural e que gostam de suspenses.
É a história de uma família, cujo pai, um professor universitário, tem sérios problemas psicológicos e é alcoólatra. Ele é casado com uma mulher simples e basicamente uma boa mãe, e eles tem um filho que é uma dessas pessoas especiais, que tem uma ligação inexplicável com o mundo dos espíritos.
Para dar um tempo com os problemas, a família se isola por alguns meses como zeladores de um grande hotel que se mostra mal-assombrado, e para quem assistiu o filme, o livro surpreende muito com um final bastante diferente. Mais uma vez, recomendo a leitura.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

O que realmente importa

Cada um tem o direito de fazer suas próprias escolhas pois terão de conviver com as consequências dessas escolhas.
O que realmente importa na minha vida é o que eu estou construindo e o que vai continuar aqui quando eu já não estiver.
Eu quero chegar ao fim da minha jornada, podendo olhar para trás e me sentir orgulhoso com os frutos do meu trabalho. Minhas memórias não significam nada para quem vai ficar, então, eu não sinto nenhuma vontade de viajar, conhecer lugares ou mesmo ter experiências que não forem trazer benefícios reais para minhas realizações.
Quero partir tranquilo, sabendo que fiz a minha parte na construção de uma sociedade melhor, mais desenvolvida. Que o trabalho que eu fiz tenha ajudado pessoas e vá continuar ajudando mesmo quando eu não estiver mais aqui.
Que pessoas possam tirar seu sustendo e realizar seus sonhos trabalhando em cima de ideias que eu tenha ajudado a realizar.
Que meus filhos tenham me gerado netos para seguir com minha "linhagem", e eu possa descansar sabendo que, como animal, eu também fiz o meu trabalho passando meus genes adiante.
Meu corpo tem prazo de validade. Veio da terra e em algum tempo volta a fazer parte dela, então, porque eu investiria tempo demais nos cuidados com ele?
Se estou tendo uma chance de viver, quero que as consequências das minhas escolhas ainda sejam relevantes mesmo décadas ou séculos depois da minhas partida. É com esse objetivo em mente que eu vivo minha vida, e é nisso que minhas escolhas se baseiam.
Acredito que não existe nenhum benefício em levar uma vida egoísta, evitando ter filhos pelo cuidado e dedicação que eles exigem. Consumindo ao invés de produzir. Acumulando ao invés de semear. E o que vão levar daqui? Como serão lembrados algumas décadas após sua partida?...
Espero cumprir com esses objetivos e viver minha vida trabalhando pelo que realmente importa.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Minha infância sobrenatural

Embora para alguns meu modo de pensar e de ver o mundo pareça meio, infantil ou inclinado demais para o lado místico das coisas, eu gostaria de esclarecer alguns pontos da minha história que talvez ajudem os que pensam assim à meu respeito a entenderem um pouco melhor sobre meus motivos de eu ser como eu sou. Afinal, eu nunca tive realmente uma escolha, já que tudo começou cedo demais, quando eu tinha apenas 4 anos de idade.
Dessa parte da história eu me lembro muito pouco, afinal era jovem demais, tenho apenas alguns flashes guardados na memória. Quem me contou essa parte foi minha mãe, cheia de medos e receio, me contou apenas uma vez e parecendo estar escondendo ainda alguns trechos que não são muito claros.

Era uma tarde de céu limpo na cidade de Guarulhos, aos 4 anos eu tinha uma irmã que ainda era um bebê. Minha mãe estava dentro de casa com ela, enquanto eu brincava sozinho no quintal. Então, olhando pro céu, eu disse ter visto "o céu se abrindo" e uma voz me disse uma mensagem que não sou capaz de interpretar até hoje.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Nos tempos do Valor

Apesar de estar vivendo essa que é certamente uma das melhores fases da minha vida até agora, uma fase que eu ainda me trás saudades constantemente é o período entre o final de 2011 e final de 2012.
Foi uma fase muito importante e transformadora que me permitiu estar vivendo o que tenho hoje.

O período entre o conturbado ano de 2008 até meados de 2011, foi uma fase longa e conturbada em vários sentidos.
Eu precisei de muito esforço para me desvincular de antigos laços que não estavam me trazendo benefícios e me arrastavam para baixo, e ainda mais esforço para manter meu filho comigo enquanto começava uma vida nova.
Foram anos levando uma vida de pai solteiro, sem me envolver demais com ninguém para poder dedicar minhas atenções ao meu filho e à minha carreira, que estava passando por um momento de incertezas.

Enfim. Foi no meio dessas incertezas e da tranquilidade da minha vida de pai solteiro que conta com a ajuda dos pais que, de repente, tudo começou a mudar.
Não vou citar aqui qual foi o evento que causou o início dessas mudanças, mas como elas ocorreram.
O primeiro grande fator de mudança, foi que eu decidi deixar minha empresa em segundo plano por um período e voltar a trabalhar fora, de empregado em alguma grande empresa. Pelo menos até as coisas estabilizarem e eu conseguir mais clientes ou alguma ideia nova de negócio. E o segundo, e mais importante fator de mudança, foi que em meio à milhares de "amigas" virtuais, eu encontrei uma garota que despertou em mim um sentimento capaz de me fazer mudar completamente.

Nosso primeiro encontro ocorreu exatamente um dia antes do meu início no novo emprego. Nos encontramos no shopping Internacional na tarde de 21 de novembro de 2011 para assistir o Amanhecer - Primeira parte. E eu não preciso contar essa parte da história novamente, porque já contei várias vezes...

O emprego escolhido foi no Valor Econômico, na Barra Funda.
Apesar de já ter trabalhado em diversas empresas, esse foi com certeza meu melhor emprego até então.
Era tudo muito grande e muito importante. Eu estava trabalhando ao lado de profissionais fantásticos, certamente entre os melhores do país.
A localização era muito legal, entre os shoppings West Plaza e Bourbon. Então, almoçar nunca era rotina, e depois do trabalho eu sempre podia dar umas voltas no shopping pra distrair, comprar, ver vitrines, ver pessoas. Porém, o que realmente marcou esse período, é que eu estava completamente apaixonado por aquela garota, e nós passávamos o dia todo trocando mensagens por SMS.
Como nosso relacionamento era proibido, eu tinha que colocar crédito para ela todos os dias para que pudéssemos conversar.
Nos encontramos pouquíssimas vezes antes de fugirmos juntos, então, esse período foi muito intenso, tanto pelo ambiente de trabalho quanto por essa tensão causada pelo fato que querer tanto estar com ela e não poder.

Era estranho estar todos os dias num shopping, com dinheiro e muitas pessoas interessantes, mas não estar interessado em conhecer mais ninguém por já estar tão completamente envolvido emocionalmente com ela.
Eu andava com o celular na mão, ansioso por uma mensagem dela, e para cada mensagem que recebia eu enviava várias. Foram meses muito intensos. Eu fumava bastante e comecei a comer menos, tanto por falta de apetite quanto pela vontade de emagrecer para parecer mais jovem.

Enfim, essas lembranças, da intensidade dessa paixão, e dos novos colegas, todos tão excitados com a oportunidade profissional que estávamos tendo, tudo isso se mistura na minha memória e me faz sentir saudades de um período tão difícil e maravilhoso da minha vida. Uma fase que eu não gostaria de reviver, mas que sempre vai ocupar um espaço especial na minha memória e no meu coração.

Mesago.me

Eu estava pensando nessa necessidade que temos de nos comunicar, e em como isso se tornou mais simples com a tecnologia. Contudo, apesar da...